Controle de Ponto Eletrônico | TradingWorks

Sumário

Escala de trabalho: como fazer e qual modelo adotar de acordo com as regras da CLT?

escala de trabalho

Além de se preocupar com a jornada trabalhista, é essencial dar atenção à escala de trabalho. Ela corresponde à frequência de atuação dos colaboradores em uma semana, bem como prevê a distribuição das folgas ao longo do tempo.

Na hora de definir essas questões, não basta considerar as necessidades da empresa. É fundamental pensar em quais são as modalidades permitidas pela CLT, de modo a evitar ações trabalhistas ou dificuldades extras.

Para não ter dúvidas, veja quais são as opções de escala de trabalho e como adotar em seu negócio segundo as regras da CLT.

A escala 5×1 oferece maior rotatividade sobre as folgas

A escala 5×1 prevê que o profissional trabalhe por 5 dias consecutivos, com uma folga logo em seguida. Por causa disso, as folgas sempre acontecem em dias diferentes e de modo variado para cada funcionário.

As empresas que atuam todos os dias costumam utilizar esse modelo, pois simplifica a distribuição dos talentos. No entanto, é preciso ter cuidado com os direitos quanto a trabalhos nos feriados e em finais de semana. Além de tudo, considere a obrigatoriedade de uma folga aos domingos, dentro de prazos específicos.

Dependendo do horário de começo da jornada, é preciso verificar se não existe algum tipo de adicional noturno devido, por exemplo. Tirando isso, é um modelo bem simples, no geral.

A escala 6×1 atende a opções como os comércios

A escala 6×1 compreende os negócios que costumam abrir aos sábados, mas não aos domingos — como alguns comércios. Nessa modalidade, o trabalhador atua por 6 dias consecutivos e tem 1 de folga, que pode ser fixo ou não, é uma das escalas  mais usadas e simples para entender o que é 44 horas semanais.

A escala 5×2 é muito aplicada em negócios diversos

Para as empresas que não abrem aos finais de semana, a escala de trabalho 5×2 é a alternativa mais utilizada. Caso sua empresa adote 44 horas de jornada semanal, a jornada diária deverá ser acrescida em 48 minutos. Considere consultar seu jurídico sobre esta possibilidade.

escala de trabalho

A escala 12×36 pode ser adotada mediante acordo

A escala de trabalho 12×36 era limitada a pessoas da área de saúde, mas a Reforma Trabalhista flexibilizou isso e difundiu entre profissionais de segurança e portaria. 

A ideia é que o profissional reveze com outro trabalhador, atuando por 12 horas cada e descansando 24 horas consecutivas, totalizando as 36 horas da escala. Nesse caso, é preciso ficar atento à cobrança de possíveis adicionais noturnos, normalmente em escala não há pagamento de HE em finais de semana ou feriados. Exceto quando explícito pelo sindicato.

A escala de trabalho deve ser definida corretamente e dentro das regras da CLT para evitar problemas. Sabendo como cada uma funciona, é possível chegar ao resultado adequado para o seu negócio.

Compartilhe esse post nas redes sociais e debata com seus contatos sobre as opções disponíveis.

Escala 6×2 pode alternar os horários trabalhados semanalmente

A escala 6×2 permite que equipes se revezem para atender uma demanda específica, por exemplo no caso de equipes de manutenção e produção.

Geralmente é usado 6 horas de trabalho diárias, alternando uma semana pela manhã, uma semana com o trabalho iniciado à tarde e outra semana iniciando à noite.

Semana Espanhola mistura escalas

A semana espanhola é um misto das escalas 5×2 e 6×1, ou seja, uma semana o colaborador trabalha de segunda à sexta durante 08h48min, folga durante sábado e domingo, e na semana seguinte trabalha de segunda à sexta durante 08h, sábado 4h e folga no domingo.

Isso é usado quando deseja se revezar um colaborador pelo menos no sábado para algum atendimento à clientes.

Resumo: A escala de trabalho deve ser definida corretamente e dentro das regras da CLT para evitar problemas. Sabendo como cada uma funciona, é possível chegar ao resultado adequado para o seu negócio.

Compartilhe esse post nas redes sociais e debata com seus contatos sobre as opções disponíveis.

Autor do conteúdo:

Edgar Henrique

Edgar Henrique

Chief Product Officer da TradingWorks e especialista em Gerenciamento de Projetos, BPM, Mapeamento de Processos, Scrum, PMP, Bizagi, CDIA+, Kofax, VB.NET, C#, VB6, SQL Server e MS Project.

Mais conteúdos do blog